Home / Opinião / Guardiola, um homem além do óbvio

Guardiola, um homem além do óbvio

Depois do que vi no jogo de ontem, e o que tenho vindo a perceber na temporada até o momento, entre o êxtase e uma perplexidade eufórica, minha vontade maior e obrigação moral era a de ir ao confessionário do futebol: sim, tenho que confessar meus pecados, e vou fazer isto antes que seja tarde, se já não o for.

Eu duvidei de Pep Guardiola.

Sim, eu duvidei, de vez em quando eu duvido, e certamente, caso alguma coisinha saia errado no futuro, eu provavelmente duvidarei novamente. São desses momentos que eu sinto realmente vergonha da minha pouca fé, de em algumas situações me unir ao haters de frases feitas: “só deu certo porque era o Barcelona”, “ele fracassou na Alemanha”, “primeira temporada horrível no City”, “quero ver agora na Premier League…”

É muito fácil embasar suas opiniões em resultados e títulos, que sim, continuo concordando que afinal eles são a principal régua do sucesso em um clube, mas nunca serão tudo, e o difícil é se convencer que existe um universo maior e adaptar suas impressões a ele. É o que eu tento fazer, a muito custo, cada vez que eu sinto a essência de como Guardiola pensa o futebol, como no caso de ontem.

Porque eu sempre fui convencido de que Guardiola fracassou no Bayern, afinal, ganhar a Bundesliga é “fácil”, a “obrigação” era a Champions League, como se o campeonato continental fosse qualquer coisinha disputada por quaisquer adversários não páreos para um escrete treinado pelo catalão. Pep não ganhou a UCL, mas será que por este acaso temos o direito de falar que seu trabalho mesmo um fracasso, ou foi ruim, ou não compensou o investimento?

Talvez eu devesse lembrar antes que o time da Bavária nunca foi tão soberano em campo como na passagem dele, e olha que eles há muito tempo detêm um poder financeiro e técnico imensamente maior do que os adversários, e, há julgar pelos acontecidos recentes, essa superioridade estrondosa se esvaiu novamente após a saída de Guardiola.

Também me perdi em devaneios a respeito da primeira temporada de Pep no City, que sim, não foi o que queríamos, nem o que ele queria, mas novamente pecamos por tratar certas coisas com uma gravidade maior do que realmente merecem. Poderíamos simplesmente analisarmos a partir da perspectiva de um projeto que busca a perfeição tática dentro do campo em todos os seus aspectos, favorecendo um futebol ofensivo e atraente, e tudo aquilo que já sabemos sobre Guardiola, o que também nos leva rapidamente a sugerir que é algo que obviamente não é fácil de ser conseguido a curto prazo, muito menos sem todas as peças necessárias. Mas em vez disto, podemos simplesmente resumir tudo a “fracasso”.

Poderíamos lembrar que já na temporada passada vimos a evolução no nível de atuação da maioria dos jogadores, que se aprofundou ainda mais agora. Sterling, sempre cercado de desconfiança desde sua chegada, encontrou seu lugar na equipe e se transformou em peça importantíssima com sua velocidade e habilidade. Stones, que havia tido suas falhas no começo, mas que agora tem atuações extremamente seguras, provando por que Pep o quis quando assumiu o time, Otamendi idem. Silva voltou ao seu melhor nível, mágico como sempre, mesmo cedendo a liderança técnica do time para De Bruyne, o belga, aliás, é o exemplo maior, não que ele não tenha provado o quanto era bom antes, mas por certo momento não conseguia uma constância adequada, onde cheguei até a duvidar, na época de Pellegrini, que pudesse atuar junto com Silva, outro pecado meu… pois que dupla temos no meio, e como Kevin tem mostrado um nível que o coloca certamente entre os grandes do mundo atualmente.

Para completar, o treinador trouxe as peças que faltavam na última temporada: goleiro e laterais, e o resultado está aí. Existem mais exemplos, mas o que importa é que o caldo é este time envolvente que vemos, a receita até demorou um pouco para chegar ao ponto, mas chegou e mostrou o quanto somos impacientes justamente por não entender realmente o que é Guardiola.

Para finalizar, eu cito dois exemplos claros de como as vezes podem ser superficiais números, resultados, títulos. Na partida de ontem De Bruyne terminou com duas assistências, nada mal, porém pouco condizente com o que ele jogou. Sané teve um gol e as mesmas duas assistências, Gabriel Jesus fez dois… sem desmerecer ambos, que também foram ótimos como todo o time, mas só quem assistiu sabe o absurdo que o belga jogou, que nunca podem se resumir a duas assistências.

Outra coisa é pegar determinado momento da partida em que o City vencia “só” por 3 a 2, um resultado que poderia dizer muita coisa, menos o que era realmente aquela partida. O City amassava seu adversário em uma atuação grandiosa, porém, em dois lances infortúnios, praticamente as duas vezes que o Stoke havia chegado ao ataque, contou com dois desvios em jogadores do City para encostar no placar. Felizmente, o resultado final trouxe justiça a atuação.

Mas, são duas coisas que resumem o óbvio: futebol vai além do óbvio. Talvez outros técnicos se limitem ao óbvio, mas Guardiola com certeza não, e muitas vezes é difícil para um mortal como eu entender. Os haters poderão dizer que não foi mais do que uma rodada qualquer da Premier League, contra um adversário fraco, que se perderá no tempo e no esquecimento mais tarde. Pode ser… mas eu acho que, no decorrer desta temporada, mas principalmente ontem, eu consegui perceber o que pode ser o auge de uma equipe do sentido perfeito do que Guardiola imagina.

Meu desafio é tentar lembrar de atuações como essa, difíceis de serem resumidas em palavras, mas sinceramente encantadoras, nos momentos em que os resultados não saírem de acordo com o que pensávamos, porque nem sempre isto acontecerá, assim como duas assistências não resumiram De Bruyne, nem o 3-2 resumia o que a equipe vinha jogando. Pronto, já fiz minha mea-culpa.

Sobre Manoel Martins Jr

Avatar for Manoel Martins Jr
Melhor com a caneta nas mãos do que com a bola nos pés.

Veja mais

Burnley 1 x 1 Manchester City – Pós-Jogo

O Manchester City visitou o Burnley neste sábado, em partida válida pela 26ª rodada da …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *