Home / Entrevistas / Kevin De Bruyne – Entrevista ao Daily Mail 

Kevin De Bruyne – Entrevista ao Daily Mail 

Kevin De Bruyne deu uma entrevista exclusiva para o Ian Landman do Daily Mail, onde ele fala do Manchester City, Pep Guardiola, Chelsea, José Mourinho, Claudio Bravo, Wolfsburg e muito mais. 

Com a temporada do Manchester City continua através do que pode educadamente ser descrito como um período de incerteza, as ações do Kevin de Bruyne continua a subir.

O belga criou mais chances de gols [24] do que qualquer outro jogador na Premier League nesta temporada.

Menos de 14 meses atrás, o jogador de 25 anos voltou para a Inglaterra vindo do clube alemão Wolfsburg com muitas pessoas questionando como o atleta vendido pelo Chelsea por £18 milhões em janeiro de 2014 poderia valer £55 milhões em um ano e meio mais tarde. Com a justificação, De Bruyne acredita ter respondido a essa pergunta.

“Obviamente, é muito gratificante. Eu venho aqui hoje, com uma visão muito diferente do que as pessoas tinham de mim no ano passado. Isso mostra que muita coisa pode acontecer em um ano.”

“Todo mundo tinha uma visão de como eu saí do Chelsea então, sim, me dá satisfação que as pessoas mudaram suas mentes.”

Parece extremo, mas a 50 minutos pós-jogo que Pep Guardiola ficou com os jogadores no vestiário só aumentaram a sensação de que algo precisa ser corrigido depois de 5 jogos sem vitórias, e antes do derby de quarta-feira à noite contra o United pela EFL Cup.

“Ele só nos disse para acreditar”, revelou De Bruyne. “Ele não quer que a gente tenha dúvidas na forma que estamos jogando.”

“Ele queria ter certeza de que sabemos que a forma como estamos jogando agora é o bom caminho. Essa foi a mensagem. Há uma série de riscos na forma como nós jogamos, nós sabemos disso.”

“Eu sei que este não é um mundo muito paciente, mas estamos tentando algo muito novo. Haverá altos e baixos. Outras equipes vão se adaptar a nós, mas vai dar tudo certo no final. Sabemos que temos de aprender tudo perfeitamente para que isso funcione.”

Há, em resumo, uma essência do debate no City. Se algo precisa funcionar perfeitamente para que ele funcione em tudo, isso torna-se um risco que não vale a pena correr automaticamente?

De Bruyne não tem dúvida. Man City venceu os primeiros 10 jogos da temporada e que feitiço de ouro foi o suficiente para convencê-lo dos méritos da visão de Guardiola.

“Eu me senti muito bem estando na equipe nesse momento”, lembrou. “A nossa forma de jogar é a maneira que cada equipe quer jogar, mas um monte de equipes não pode jogar dessa maneira incrível.”

“Não é tão fácil como parecia. Há muito trabalho envolvido e talvez muitas pessoas não gostariam disso. Mas, para os melhores times do mundo que podem fazer isso sem perder muitos pontos, então é ótimo.”

Guardiola disse, não haverá alteração na filosofia, apesar das falhas no sistema.

De Bruyne assinala que o atual calendário de jogos está limitando o tempo de treinamento necessário para o óleo da máquina, por isso pode ser que as rachaduras permaneçam por enquanto.

“Nós estamos jogando o tempo todo, então não estamos tendo verdadeiras sessões de treinos o que é difícil”, disse ele.

“Os gols que temos sofridos tem sido mais por nossos erros, em vez de estarmos desmoronando. Então, se podemos minimizá-los, será melhor para nós, nós sabemos disso.”

“Se o manager muda (o seu estilo) agora as pessoas vão perguntar porque. Então, ele não pode realmente ganhar. De qualquer forma, porque ele deveria mudar seus modos só porque ele veio para a Inglaterra? Esta é a sua crença e ele acha que é o certo.”

“Ele tem conseguido tantas coisas jogando desta forma, então eu entendo porque ele continua. Nós dissemos isso antes da temporada. Se perdermos, a crítica vai ser muito pior do que era antes. Mas, além do Southampton e perder para o Spurs, os outros jogos foram bons.”

“Há sempre novos desafios no futebol. Você só precisa se adaptar caso contrário você não vai se encaixar. E se você não se encaixa em seguida, você terá que ir para outro lugar.”

O ponto final é pertinente. Guardiola já mostrou ser “cruel”, com jogadores como Sergio Aguero encontrando-se no banco por alguns jogos.

O goleiro Joe Hart está emprestado ao Torino, o seu substituto Claudio Bravo, contratado junto ao Barcelona, ​​não saiu de suas primeiras experiências na equipe ileso.

“É muito difícil para Claudio, porque ele é muito diferente de Joe”, disse De Bruyne. “Joe é também daqui, o que é também contra o Claudio.”

“Seu estilo de jogo também é totalmente diferente. Todo mundo sabe que o treinador gosta de um goleiro que gosta de jogar com os pés.”

“Então, quando Claudio comete um erro com o pé, eles vão dizer que no final das contas ele não é tão bom com os pés. Se ele erra um passe importante eles vão dizer: ‘Ah, olha! Por que eles o compraram?”

“Por isso, é difícil para ele. Ele não tem nada a ver com o que aconteceu com Joe, obviamente. Ele é um bom goleiro, mas tem sido difícil para ele.”

“Ele cometeu alguns erros, mas isso acontece e temos plena confiança nele. Ele é o homem certo para o trabalho.”

De Bruyne deixou sua casa em Drongen, Bélgica, com a idade de 14 para jogar pelo Genk, 80 milhas de distância. Às vezes ele se sentiu sozinho, e seu sotaque diferente e sua aparência o fizeram sobressair.

Em sua carreira já apresentaram inúmeros desafios. A maioria deles, De Bruyne superou.

Ele é um jovem capaz de grandes decisões.

O lembrei que um treinador – o belga Hein Vanhaezebrouck – descreveu-o como “o Cruyff da sua geração”, ele não piscou.

“As pessoas só dizem coisas”, disse ele. “Eu vi algumas fitas de Cruyff, mas não muito.”

Um episódio de sua carreira eclética manteve-se com ele, no entanto, a sua lembrança de seu tempo no Chelsea sob Jose Mourinho foi mais expansivo do que foi antes.

O sucesso no City tem claramente dado a ele a confiança para explicar finalmente e completamente sua visão sobre os comentários de Mourinho que ele se transferiu simplesmente por não ser capaz de lutar por um lugar na sua equipe.

“Eu não podia dizer nada antes, porque eu não estava jogando”, disse De Bruyne. “Se ele diz algo à imprensa eles vão acreditar, porque, naquele momento, era a única coisa que eles tinham para ouvir – a única evidência que havia.”

Não “Mas eu não acho que eu sou como ele disse. Eu sempre quero jogar. Tenho jogado centenas de vezes na minha carreira e eu tenho apenas 25. Então, eu acho que eu tenha respondido muito bem.”

“No momento, no Chelsea eu já tinha muitos, muitos jogos sob o meu cinto. Eu não sinto que eu era como um cara normal de 20 anos de idade, porque eu já tinha jogado por anos na Bélgica e, em seguida, por empréstimo do Chelsea na Alemanha.”

“Eu acho que eles (Chelsea) tinha uma visão diferente do que eu tinha de mim mesmo. Eu era jovem, mas também experiente. Se eu tivesse vindo através da base, então talvez eu ficaria feliz em jogar 10 jogos lá.”

“Pelo que eu entendia, eu estava pronto para jogar. Eu li que, para eles no Chelsea, eu era muito jovem, mas na minha mente você nunca é muito jovem. Se você está pronto você está pronto.”

“Eu acho que o Eden Hazard foi para lá com a mesma idade que eu, quando ele começou a jogar, por isso é um pouco estranho dizer esse cara é jovem e o outro cara é velho o suficiente para jogar. É apenas uma outra maneira de dizer que alguém não é bom o suficiente.”

Uma lesão no tornozelo deixará De Bruyne fora do jogo de quarta-feira contra o United de Mourinho, mas ele já atingiu um golpe nesta temporada, o primeiro gol no 2-1 pela Premier League na vitória do City em Old Trafford.

“Não tenho nenhum problema com José. De certa forma, foi uma boa experiência. É a única experiência onde realmente não joguei e ele me deu um outro aspecto, a perceber como me conduzir.” 

“Eu aprendi muito sobre mim mesmo e estou feliz com a decisão que tomei de seguir em frente.”

Depois de deixar o Chelsea permanentemente para o Wolfsburg, em janeiro de 2014, De Bruyne floresceu. Jurgen Klopp quis ele no Borussia Dortmund enquanto o próprio Guardiola tentou seduzi-lo para o Bayern de Munique, antes dele deixar a Alemanha para o City.

Ele quase ficou no Wolfsburg por mais uma temporada, mas a notícia de que sua namorada Michele estava grávida o fez mudar de idéia.

“Eu sou uma pessoa que está muito confiante do que posso fazer em campo, e fora do campo eu faço minhas coisas e vivo minha vida do jeito que eu quero viver minha vida”, disse ele.”

“A gravidez mudou as coisas. Talvez houvesse uma chance de ficar mais um ano na Alemanha, mas com a criança eu achei que era o momento certo para sair.”

“Michele e eu não achamos que seria bom ter uma criança em um lugar e, em seguida, dois meses depois mudar e fazer tudo diferente.”

“Isso talvez me deu o empurrão para ir e aceitar a mudança. Estamos muito felizes e meu filho, Mason, está indo muito bem aqui.”

Apesar da impressão dada por suas ações na beira do gramado Pep Guardiola não micro-gerencia. 

Perguntado há resumir a filosofia do espanhol em três frases, De Bruyne disse após uma breve pausa: ‘Pressão alta. Boa organização. E liberdade.”

A última parte é interessante. Liberdade se adapta a alguns jogadores e outros não.

Perguntei ao De Bruyne, se o seu treinador envia ao seus jogadores em casa arquivos de computador e clipes de DVD para assistir como alguns managers modernos fazem.

“Não, ele nunca faz isso”, disse ele. “Temos muitas reuniões no clube, mas ele não se estende às coisas pessoais como essa.”

“Nós temos muita liberdade. Isso é importante porque a sua cabeça precisa estar livre. Não é bom se é sempre o “futebol-futebol”.

“Você sabe, às vezes dormir em casa antes dos jogos, isso é bom. Sabemos que temos que comer aqui na parte da manhã e depois do treino e, sim, às vezes, o treinador está lá. Mas não precisamos comer em um determinado momento. Nós comemos quando quisermos, contanto que seja aqui.” 

“Como eu disse, um pouco de liberdade.”

O que Guardiola e seus jogadores precisam é a liberdade provocada por melhores resultados. United na quarta-feira, West Bromwich Albion no sábado, então o Barcelona em casa pela Champions League na próxima semana.

O estilo de jogo do City foi colocado ordenadamente em um suporte com a de Klopp no ​​Liverpool e Mauricio Pochettino no Tottenham. No Etihad, no entanto, o perfil de Guardiola significa que a expectativa é maior.

“Talvez seja a nova forma de jogar, mas em cinco anos talvez haja outra maneira vindo”, sorriu De Bruyne.

“Mas esses outros treinadores são capazes de fazê-lo porque eles tiveram o tempo. Liverpool e Klopp estão juntos há um ano e o Tottenham também precisou de um primeiro ano antes que eles comecassem a jogar bem.”

“Esperamos obter algum tempo como eles tiveram. Jogamos muito alto contra 10 jogadores em um espaço pequeno, o oponente joga contra três ou quatro jogadores em um grande espaço.”

“Por isso, é mais difícil para nós defendermos  do que para outras pessoas, mas eu acho que sempre vai ser assim.”

“Nós ouvimos as críticas, mas nós sabemos o que estamos fazendo de errado e que o estamos fazendo de certo, a verdade é sempre em algum lugar entre as linhas.”

“Nós sabemos onde está a verdade.”

As dez melhores citações do Kevin De Bruyne na entrevista.

Sobre provar no no futebol Inglês no Manchester City: “Todo mundo tinha uma visão de como eu saí do Chelsea por isso me dá satisfação que as pessoas mudaram suas mentes.”

No novo estilo de jogo do City: “A nossa forma de jogar é a maneira que cada equipe quer jogar, mas não um monte de equipes pode jogar dessa maneira incrível.”

O que Guardiola disse aos seus jogadores após empate 1-1 de domingo com o Southampton: “Ele queria ter certeza de que sabemos que a forma como estamos jogando agora é o bom caminho. Essa foi a mensagem.”

Na filosofia de Guardiola: “Por que ele deveria mudar seus modos só porque ele veio para a Inglaterra?

Sobre os goleiros do City: “Joe [Hart] também é daqui o que é também contra o Claudio [Bravo].”

O difícil início de Bravo: “Ele cometeu alguns erros, mas isso acontece e temos plena confiança nele.”

Em sua saída Chelsea: “Eu acho que eles (Chelsea) tinha uma visão diferente do que eu tinha de mim mesmo. Eu era jovem, mas também experimente. Se eu tivesse vindo através da base, então talvez eu ficaria feliz em jogar 10 jogos lá.”

“Eu acho que Eden Hazard foi para lá com mesma idade que eu, quando ele começou a jogar, por isso é um pouco estranho dizer esse cara é jovem e o outro cara é velho o suficiente para jogar.”

Sobre Mourinho, seu manager no Chelsea: “Não tenho nenhum problema com José.”

Quando lhe pedir para resumir a filosofia de Guardiola em três frases: “Pressão alta. Boa organização. Liberdade.”

Sobre o Liverpool e Tottenham jogar de forma semelhante ao City: “Talvez seja a nova forma de jogar, mas em cinco anos talvez haja outra maneira vindo.”

Sobre Evans

Avatar for Evans
Fundador, Twitter, ManCityBrazil TV, Podcast, Correspondente na Inglaterra e Seasoncard holder do Manchester City.

Veja mais

Aymeric Laporte é o novo zagueiro do Man City

O Manchester City oficializou hoje a contratação do zagueiro francês Aymeric Laporte, após rescisão contratual …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *