Home / Análise dos Jogos / Leicester 0 x 2 Manchester City – Pós-jogo

Leicester 0 x 2 Manchester City – Pós-jogo

O Manchester City visitou o Leicester neste sábado, em partida válida pela 12ª rodada da Premier League, disputada no King Power Stadium. Duas semanas após a importante vitória diante do Arsenal, que colocou os Citizens 8 pontos à frente do segundo colocado, o desafio de hoje era manter essa interessante vantagem, como também a invencibilidade na temporada.

Os Citizens não puderam contar com Nicolas Otamendi, cumprindo suspensão por acumulo de cartões, por outro lado, tivemos o essencial retorno do capitão Vicent Kompany, recuperado de lesão. Aguero, que passou mal após o amistoso da seleção argentina na última terça, ficou no banco. De resto a equipe foi a mesma que vem atuando constantemente, com Fernandinho atingindo a importante marca de 200 jogos com a camisa do clube: Ederson; Walker, Kompany, Stones e Delph; Fernandinho, David Silva e De Bruyne; Sané, Gabriel Jesus e Sterling. No decorrer da partida entraram Mangala, Bernardo Silva e Gundogan.

Para o City também se tratava de uma questão de escapar das jogadas em velocidade do Leicester. Na temporada passada, a ainda instável equipe de Guardiola foi presa fácil, e, num dos raros momentos em que lembrou o velho Leicester de 2015/16, os Foxes venceram por 4-2, abrindo 4 a 0 ainda no primeiro tempo. Porém, todos sabiam que agora a história tendia a ser bastante diferente.

O que não mudou é que os donos da casa não se intimidaram a se fechar em seu campo de defesa e aguardar as investidas dos Citizens, torcendo por um ou outro contra-ataque perigoso, como é bastante comum em se tratando de equipes mais modestas. O Leicester não renunciou ao seu estilo, saiu para o jogo, o que tornou a partida mais aberta, num cenário bem mais interessante para os jogadores do City, que conseguiram encontrar espaços para trocar passes em velocidade.

E assim foi boa parte do primeiro tempo, em que ambas as equipes se alternavam em jogadas de velocidade rumo ao campo adversário. O City concentrava suas ações pelo lado esquerdo com Leroy Sané, porém havia certa imprecisão no chamado último passe, o que fazia com que tivéssemos poucos chances reais que exigissem ação do goleiro. Defensivamente, o destaque era de Fabian Delph, com uma atuação extremamente segura e botes precisos nas tentativas adversárias de avanço.

Uma dos raros momentos em que o City conseguiu concluir a jogada com finalização se deu aos 20 minutos, quando David Silva recebeu de Sané e bateu de primeira, obrigando Schmeichel a espalmar para escanteio. Aos 27, porém, uma péssima notícia para os Citizens: Stones deu um pique e sentiu a coxa, tendo que ser substituído por Mangala. Ele deve ficar fora de combate por 4 a 6 semanas, um desfalque muito importante.

A partir dos 40 minutos, o City começou a ser mais incisivo nas chances criadas, perdendo algumas oportunidades até achar o gol. Começou com David Silva, tentando da entrada da área, mas mandado por cima. Logo depois, De Bruyne cruzou, Kompany ajeitou e a bola sobrou para Mangala, que acabou mandando por cima. Aos 43, foi a vez de Sané invadir a área pela esquerda, chutar e obrigar Schmeichel a livrar o perigo.

Porém, quando parecia que o primeiro tempo acabaria em igualdade, Sterling achou um passe espetacular que colocou David Silva na cara do gol, o espanhol não foi fominha e rolou para Gabriel Jesus, livre, só empurrar para as redes e abrir o placar.

O segundo tempo começou eletrizante, e se o City demorou os 45 minutos protocolares para conseguir o primeiro gol, na segunda etapa foi o contrário, e logo houve a ampliação de placar. Mas primeiramente foi o Leicester que por muito pouco não empatou, aos 47, com duas chances em sequência, a primeira com Vardy que cabeceou para defesa de Ederson, no lance seguinte, Maguire bateu de primeira e acertou a trave.

Só que, justificando o conhecido ditado do quem não faz, leva, depois desse lance o City apresentou mais uma de suas aulas de contra-ataque, começando com um belo lançamento de Fernandinho do campo de defesa que encontrou De Bruyne, e este lançou também de forma magnifica para Sané na esquerda, ao qual invadiu a área pela esquerda e serviu o próprio De Bruyne, que limpou a marcação, e mandou um chutaço de pé esquerdo, de fora, no ângulo de Schmeichel. Golaço.

Já no minuto seguinte, Gabriel Jesus ainda recebeu um cruzamento de Walker sem marcação dentro da área, mas acabou se atrapalhando na hora de finalizar, ele tentou duas vezes, e Schmeichel ficou com a bola. O City continuava bastante avassalador, pois aos 51, foi a vez de David Silva ter uma nova oportunidade recebendo de Sané, mas chutando por cima. Aos 70, Sterling fez uma bola triangulação com David Silva, e cruzou para a área, a bola ficou viva até o goleiro adversário espalmar para escanteio.

O jogo correu muito tranquilo para os Citizens até o final, aos quais não sofreram qualquer pressão no campo de defesa por parte do Leicester, e continuaram empreendendo ações ofensivas perigosas, controlando a partida completamente. Com o apito final, a equipe chegou aos 34 pontos na competição. O próximo desafio se dará diante do Huddersfield no dia 26, também fora de casa, antes disto, na terça que vem, a equipe recebe o Feyenoord, pela Liga dos Campeões.

Sobre Manoel Martins Jr

Avatar for Manoel Martins Jr
Melhor com a caneta nas mãos do que com a bola nos pés.

Veja mais

Jeremy Wilson: “Pep Guardiola pode transformar o futebol inglês se nós o escutarmos”

A hierarquia do futebol inglês deve ouvir o que Pep Guardiola tem a dizer sobre …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *