Home / Opinião / Precisamos conversar sobre Nicolas Otamendi 

Precisamos conversar sobre Nicolas Otamendi 

Falar do Nicolas Otamendi não é fácil, até porque ele tem uma legião de fãs no Brasil, o que sinceramente eu não entendo. 

Desde a temporada passada nós falávamos que a torcida inglesa estava desconfiada com o Otamendi na sua primeira temporada, mas deram um voto de confiança ao jogador pois era seu primeiro ano na Premier League e tinha o benefício do Pep Guardiola estar chegando, o que poderia fazer um bem ao argentino. 

A verdade é que estamos em Dezembro e a torcida perdeu a paciência com o Otamendi. Dizem que não dá mais. Então pensei em escrever um post sobre isso, até comecei. Mas vi que jornalista e torcedor do Man City o David Mooney falou sobre o Nicolas em um post no dia em que eu estava escrevendo. 

Então pensei: “Antes que as pessoas me julguem de injusto e que estou pegando no pé do Otamendi, é melhor eu postar aqui o que esse jornalista escreveu, que praticamente representa o que a maioria da torcida inglesa pensa.”

Não é nenhum segredo que o Manchester City tem um problema defensivo por algum tempo. Desde que a parceria entre Vincent Kompany e Joleon Lescott foi separada em 2012, o clube não tem sido capaz de obter uma unidade que tenha uma forma consistente e sólida, além de um curto período onde Martin Demichelis superou a sua má forma e funcionou bem ao lado do Kompany em 2014. 

A hierarquia do clube são conscientes da questão, com uma abundância de dinheiro gasto em uma tentativa para resolver o problema. Jogadores como Matija Nastasic, Eliaquim Mangala e Nicolas Otamendi foram todos comprados por um total combinado de cerca de £85 milhões, e a defesa do Man City  está mais fraca do que antes.

Tendo sido considerado como um dos melhores zagueiros da La Liga em 2014-15 [uma temporada antes de se mudar para a Premier League] Otamendi não mostrou nada para seu novo clube que sugere que ele possa ser confiável para jogar na posição regularmente. Sua primeira temporada foi irregular, e os sinais, até agora, são de que nada mudou sob o abrigo do Pep Guardiola. 

Como o City passou o verão passado perseguindo John Stones, Aymeric Laporte e Leonardo Bonucci, é justo dizer que o novo treinador teve dúvidas sobre os defensores do clube. O quanto disso era sobre o conforto na posse de bola em vez da capacidade para defender é para debate, embora, era óbvio que o catalão iria alterar o estilo de jogo do City.

O clube foi bem sucedido em apenas uma dessas oportunidades, com Stones vindo do Everton por uma quantia relata em £47.5 milhões. Que leva o total de despesas gastos na defesa chegando em £130 milhões nos últimos quatro anos, e no entanto, a retaguarda está constantemente a piorar, com a derrota de 3×1 em casa para o Chelsea no sábado, destacando ainda mais as limitações.

Guardiola teve sua dúvidas sobre Otamendi por algum tempo. Falando sobre o argentino após o primeiro jogo sob a sua gestão, um 5-0 em cima do Steaua Bucareste, a catalão não estava impressionado com o estilo agressivo do defensor: “Eu não gosto quando os defensores centrais se jogam [carrinho] no terreno de jogo,” ele disse aos repórteres. 

“Eu não sei sobre a última temporada porque eu não estava aqui, mas estamos aqui para melhora-lo. Depois de dois pênaltis para nós, uma pequena situação pode gerar uma penalidade contra nós e temos que evitar isso.” 

Quatro meses mais tarde, o argentino não parou de mergulhar [leia-se carrinhos] e assim causando problemas em sua equipe devido a isso. Alguns avaliaram o desempenho dele na derrota para o Chelsea como um única, um exibição pobre de um zagueiro que normalmente coloca seu corpo na reta para tentar manter a oposicão de não marcar. 

No entanto, ele está mostrando o que é mais endêmico do que ele tem feito consistentemente desde que foi contratado em 2015/16. Está à deriva posicionalmente, excessivamente agressivo em suas entradas e compromete-se muito alto na linha do campo. 

No começo do jogo, ele levou uma cartão desnecessário numa entrada em Diego Costa. Os torcedores do City ficaram revoltados com a decisão, mas Otamendi deveria ter ficado aliviado por não ter sido um cartão vermelho. As suas travas da chuteira estavam a mostra e sua tentativa de ganhar a bola foi imprudente, mesmo ele não tento feito muito contato com o atacante do Chelsea. 

Os visitantes deveriam ter tomado a liderança no primeiro tempo quando Eden Hazard fintou Claudio Bravo, mas o belga escolheu dar um passe para Diego Costa em vez de chutar para o gol vazio. A situação surgiu a partir de uma bola longa, enquanto muitos vão com razão criticar o goleiro por deixar sua meta sabendo que ele não poderia vencer o atacante, o papel do Otamendi de falhar em não conseguir parar o lance não deve ser ignorado. 

Ele foi pego com a bola que flutuava por cima da sua cabeça; seu salto tímido fez com que ele nem chegasse perto de tirar a bola, quando ele deveria ter sido capaz de fazê-lo. 

Chelsea expos a mesma fraqueza no segundo tempo no empate de Diego Costa. Novamente em uma bola lançada por cima que não foi capaz de tirar, Otamendi foi deixado todo tordo quando o atacante teve um controle brilhante e marcou. O espanhol “golpeou” o defensor do City como se ele fosse nada mais do que uma irritante mosca.

O pior estava por vir. O argentino voltou para sua configuração padrão em comprometer-se a uma tentativa de roubaba de bola onde ele não poderia ganhar no segundo tempo, o que fez que o contra-ataque do Chelsea fosse muito mais fácil para eles assumirem a liderança. É claro, Otamendi tem cúmplices ao permitir Willian em colocar os visitantes à frente, mas o seu desespero em antecipar ao Diego Costa e roubar a posse no meio-campo configurou a chance. 

Em vez de recuar e aguardar o contra-ataque do atacante, ele permitiu ao Diego Costa a liberdade do meio-campo. Em seguida, uma simples passe para Willian, que sempre vai passar adiante ao lento Aleksandar Kolarov, antes de Bravo conseguir ser pego de surpresa por um chute que todos dentro do estádio podiam ver acontecer.

Com todas as críticas da última temporada ainda fresco na memória, afigura-se como Otamendi não aprendeu quaisquer lições. Ele ainda continua a cair no gramado muito facilmente em áreas perigosas, arriscando a cometer faltas ou ser batido muito confortavelmente por um hábil atacante, e ele ainda continua a se comprometer em uma linha muito alta no campo.

Os torcedores gostam de um forte carrinho, e é ótimo ver um defensor limpar tudo em frente ao ganhar a bola. No entanto, com o argentino, raramente parece que ele está no controle quando ele coloca o peso de seu corpo em uma dividida.

Otamendi é visto como um imprudente. 

Desde a sua chegada na janela de transferência do verão de 2015, o Otamendi parece ser um cartão vermelho à espera de acontecer, bem como ele conseguiu evitar uma expulsão em uma temporada e meia com o clube é um mistério. Ele andou na corda bamba em tomar um segundo amarelo ou um vermelho direto em mais de algumas ocasiões.

Otamendi poderia tornar a vida mais fácil para si com um jogo mais controlado. Ele é mais do que suficientemente confortável com a bola em seus pés para ser capaz de jogar o estilo de Guardiola, e sua parceria com Stones parece  forte no âmbito do novo treinador. Mas não pode haver um lugar para ele na equipe se ele continuar a ser desnecessariamente agressivo e desobediente no seu posicionamente

Dois clean sheets em 14 jogos na Premier League, mostra a extensão dos problemas do clube na parte de trás. Apesar do dinheiro que tem sido gasto em defensores nos últimos anos, City terá a necessidade de mergulhar no mercado de transferências novamente para resolver essa deficiência.

Empilhar a responsabilidade de reconstrução de uma defesa digna de brigar pelo título em cima do jovem Tosin Adarabioyo seria injusto e pode colocá-lo sob indevida pressão, enquanto as opções que ainda estão no clube estão consistentemente provando ser inconfiáveis, isso através de contusões ou capacidade. 

Nesse momento, Otamendi parece nada mais do que o próximo fracasso do caros zagueiros. 

“Eu tenho tentando pensar no último jogador do City que eu odiei tanto quanto o Otamendi e tudo o que consigo pensar é no Otamendi da temporada passada.” (@the_paris_angel) – conhecido torcedor do Man City.

“Com certeza que Diego Costa dará Nicolas Otamendi de volta para o City quando ele terminar com ele.” (@samwallacetel) – jornalista. 

Texto adaptado do Bleacher Report 

Sobre Evans

Avatar for Evans
Fundador, Twitter, ManCityBrazil TV, Podcast, Correspondente na Inglaterra e Seasoncard holder do Manchester City.

Veja mais

Guardiola não vai mudar sua filosofia e jogar um futebol pobre, como Mourinho, para ganhar títulos

O mundo do futebol, muitas vezes, é tão subjetivo quanto ir da euforia à decepção, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *